Notícias

USP APROVA AUMENTO DE 57% NAS VAGAS OFERECIDAS PELO SISU

Em reunião nesta terça, Conselho Universitário aprovou nova divisão de vagas. Em 2017, 8.734 vagas serão oferecidas pela Fuvest e 2.338, pelo Sisu. 

Um ano após aderir parcialmente ao Sistema de Seleção Unificada (Sisu), a Universidade de São Paulo (USP) decidiu continuar no programa, com um aumento de 57% na participação. Na noite desta terça-feira (12), o Conselho Universitário (CO) aprovou a destinação de 2.338 vagas na graduação em 2017 para o Sisu, que usa a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para selecionar os candidatos e candidatas. A quantidade equivale a 21,1% do total de vagas do vestibular de 2017 (11.072). De acordo com a divisão aprovada nesta terça, 8.734 vagas ainda estarão em disputa na Fuvest.

A nova divisão representa um aumento de 849 vagas destinadas ao Sisu em relação ao primeiro ano de adesão. Entre as unidades que decidiram participar pela primeira vez do sistema estão a Escola Politécnica (Poli), a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) e a Faculdade de Economia e Administração (FEA), todas na Cidade Universitária, na Zona Oeste da Capital.

Em um ano, a participação do Sisu na seleção de calouros de graduação da USP vai crescer de 13,4% para 21,1% do total de vagas da instituição.

O número de cursos que aderiram parcialmente ao sistema do MEC subiu de 85 para 121. Apenas três das 42 unidades da USP seguem sem aderir ao Sisu: a Escola de Engenharia de São Carlos (EESC), a Faculdade de Medicina (FM) e Instituto de Física (IF).

Das 2.171 vagas da USP no Sisu 2017, 597 serão para a ampla concorrência; 1.155 para estudantes que tenham cursado o ensino médio integralmente em escolas públicas; e 586 para alunos oriundos de escolas públicas e autodeclarados pretos, pardos e indígenas (PPI).

Vagas ociosas
A proposta de usar tanto a Fuvest quanto o Sisu na seleção de novos alunos foi aprovada no CO por 78 votos a favor e 9 abstenções. Já a tabela de vagas que cada faculdade, escola ou instituto da USP destinará às duas modalidades de seleção foi aprovada por 76 votos a favor, um voto contra e 11 abstenções.

A reunião, porém, discutiu as críticas feitas ao primeiro ano de uso do sistema, entre elas o alto índice de vagas remanescentes.

No primeiro ano da USP no Sisu, 45% das vagas deixaram de ser preenchidas , segundo dados da própria instituição, e em 11 cursos, nenhum candidato atingiu nota suficiente para ser selecionado . Durante a reunião do CO, o pró-reitor de Graduação, Antonio Carlos Hernandes, atribuiu o problema ao número de chamadas de candidatos aprovados. "O maior problema que tivemos foi o número de chamadas, porque foram feitas só quatro chamadas", afirmou ele durante a reunião, que foi transmitida em tempo real pela internet.

Segundo ele, essa falha será corrigida no edital de adesão ao Sisu 2017, que será definido pela Pró-Reitoria de Graduação e não passará pela aprovação final do CO.

Cotas e divisões
Outra crítica ao projeto da USP de aderir parcialmente ao Sisu, dando a cada unidade a autonomia para decidir se participa ou não, é um fenômeno de divisão entre os cursos. Faculdades com maior concorrência, como a Faculdade de Medicina, mais uma vez deixarão de aceitar calouros com base na nota do Enem, embora o número de cursos de fora do Sisu tenha caído de 59 para 23.

O reitor da USP, Marco Antonio Zago, rebateu as críticas sobre a adesão ao Sisu em um formato que permita a cada unidade escolher se participa ou não. "Tivéssemos nós adotado esta posição ano passado, eu não tenho dúvida nenhuma de que não teríamos adotado a adesão ao Sisu. E se [a adesão] foi tímida no ano passado, não será tão tímida neste ano", afirmou ele.

Zago também negou que a USP seja racista por não ter uma política de ação afirmativa que inclua todos os cursos. "Nós tratamos sim de uma universidade conservadora e elitista, eu concordo. Não concordo que ela seja racista como instituição. Pode abrigar racistas, mas, como instituição, não é. Agora, ela é elitista e conservadora, como, aliás, são todas as grandes universidades do mundo", disse o reitor, durante a reunião.

Entre os cursos de humanidades está o maior índice de participação no Sisu: 1.100 das 3.654 vagas serão definidas por meio do sistema do governo federal, ou 30,1% do total. Entre os cursos de ciências exatas, a participação vai ser de 18,9% do total de vagas. Já entre as ciências biológicas, o índice de adesão ao Sisu representa 22,8% das vagas. 

 

FONTE: http://g1.globo.com/educacao/noticia/usp-aprova-aumento-de-57-nas-vagas-oferecidas-pelo-sisu.ghtml